terça-feira, fevereiro 26, 2008

tempo de.

























(faded memories, haleh bryan)






" é preciso arranjar outros
motivos
outras flores e astros

outras abertas

entre a chuva cansada de um outono
que não sabe já
qual é a terra certa

é preciso pensar outras imagens
outras fissuras, sítios
e cidades

pôr fim ao lamento deste vento
tentar tirar ao anjo
a túnica e o sabre

é preciso inventar outras paisagens
outros montes e águas
outras margens

abrir e expôr o coração
e finalmente deixar
correr as lágrimas "


(maria teresa horta)








fecho as lágrimas nas palavras
para que mais não chovam
sobre o dia de hoje.


porque o sorrir
(que)
aos outros.


a recusa em viver
(cega)
na dor.







..













fecho as lágrimas...














e invento.





























(ben arieh)














...









(-me.)

15 comentários:

~pi disse...

inventar-se raizes

de

ainda




na

da




~

un dress disse...

muito além das palavras

in.ventar-se


.


.


.


beijO

Atlantys disse...

É curioso como aprendi a gostar de poesia com a ajuda dos blogs.
O teu foi (É) uma dessas ajudas =)
Adorei o poema de hoje =)***

um Ar de disse...

Tens razão.

É tempo de.

Se o tempo...


[BEIJO]

Maria del Sol disse...

"fecho as lágrimas nas palavras
para que mais não chovam
sobre o dia de hoje."

O teu espaço é um dos casulos de beleza mais tocantes da blogosfera. Obrigada pela visita ao meu e desculpa a minha ausência prolongada, apesar do trabalho ultimamente apertar vou tentar ser mais assídua, o tempo que passo aqui é sempre é sempre um prazer :)

Beijinhos!

Maria Laura disse...

Inventar-se é um passo mais. Para além de fechar as lágrimas nas palavras.
Gosto muito de te ler.

Dalaila disse...

e tempo de estar em, e crescer

curse of millhaven disse...

revejo-me nestas palavras, querida. tb eu tenho fechado as minhas lágrimas por estes dias, e tenho sorrido, muito! e de certa forma tenho-me reiventado, muitas pessoas me acham diferente, mais comunicativa. mudar para melhor é óptimo :)

legivel disse...

... belo! Porque passa por nós a (re)invenção de outras imagens, outras fissuras, sítios e cidades

e finalmente, deixar correr as lágrimas


de alegria.

Ad astra disse...

Como só tu sabes

inventar...

beijinho

Anónimo disse...

Alguém disse"quando choramos é, quase sempre, por nós, mesmo que não nos demos conta".

Só assim as lágrimas de hoje valerão a pena, se não, NÃO!

xxxxx

M_d_O_M

luci disse...

tempo de gestar-se

tufa tau disse...

.
irei recomeçar-me brevemente noutro tempo e lugar
não posso ser pássaro ou outra ave para me reinventar
a chuva ou o vento que dos céus nascem existem também
se neste recomeço não existo eu, serei o quê ou quem?

Post-It disse...

re-inventar.
re-criar.
re-começar.
sempre!

K disse...

Crescer? a nossa condição...não basta uma vida para para caminharmos por nós...