quarta-feira, fevereiro 28, 2007














tira-me do silêncio, tira-me este nada.

enleia-te em mim, cose-me por dentro, cose-nos por fora, o que for - tira-me deste silêncio de escuro que me trava o sorriso e me enuva por dentro.
vês-me? tu vês-me? não me dês o silêncio. tira-o de mim - não mo dês.

não me dês o desapego, a fuga, a falta de, falta de mim. basta-me a mim não saber onde sou - não me dês o silêncio sobre tudo o mais. sobretudo, não me tragas o vazio de palavras que não.
vê longe a minha vida, que vejo de fora - é o quê que ouves, para lá da ilusão?....
enrolo-me.
enrolo-me em mim.
não quero saber mais.
larga os meus dedos
o meu toque
o olhar que ama
tudo aquilo que rejeitas agora,
que cobres de silêncio,
cobras sem nada dizer.
vem e larga-me de mim.
e finge não saberes o frio que tenho,
que me dói e emudece assim.







....






(imagem: elena vasileva)

4 comentários:

Bastet disse...

O silêncio pode ser aterrador mas só depois de lhe conhecermos esses contornos é que podemos apreciar a paz que traz também consigo.

Obrigada pela visita ao cesto da gata Bastet :)*

joaninha disse...

:)

o alquimista disse...

No imenso do teu sentir calei-me e procurei formar uma imagem que definisse um ser como tu...ocorreu-meo...mar...


Doce beijo

JPN disse...

:)