sábado, dezembro 23, 2006

natal emigrante.














é natal na terra de mim
- eu que voltei das terras da majestade deles
onde o sol brilha mas não aquece
e o chá nunca arrefece

ando pelas ruas
passeio
olho as coisas como turista
- mas não -
maravilhada com tudo ou quase

entro nas lojas
comparo produtos sem por isso dar
compro o que fará alguém feliz
trará pelo menos um sorriso
hopefully não só por boa educação
conto os trocos nas moedas que (ainda) não reconheço
viro-as e volto a virá-las nas mãos
- isto são 5 cêntimos ou 2 pence?
- isto chega ou?
- quanto é que disse que era?...
as pessoas atrás de mim a ficarem quentinhas de tanta impaciência
(desculpem, sou emigrante...)
elas que ainda têm de ir a 60 lojas comprar 50 coisas para 40 pessoas
com direito a 7 discussões pelo meio
4 ataques de nervos
pegadinhos um com o outro
sem tempo no meio para respirar
até porque na segunda quinzena de dezembro
o tempo deixa de existir
e ainda assim há-de ficar uma "$#& de uma prenda por comprar
provavelmente a mais importante
ou a que era "certo" conseguir comprar
(as certezas também se tornam efémeras durante estes dias...)
durante a hora de almoço

eu tenho a sorte de ter uma família que não apoia o consumismo
desenfreado
disparatado
injusto
da época natalícia
e assim me escapo a stresses de maior
e momentos de pânico
porque ainda não isto
ou ainda não aquilo
para este
aquele
e o outro

entro em mais lojas
na maior parte só para ver
há até quem me chame masoquista
- ir para as lojas passear na altura do natal???? -
mas é tão bom estar no meio da minha gente
ainda que empurrada
apalpada
beliscada
e pisada
por todos
e mais algum

(vocês sabem lá a saudade
de alguém que está perto,
cantava a outra....)

páro num café para beber a bica
a falta de atenção de quem me atende
para com os clientes
é
tristemente
bem mais notória do que lá
o que me irrita
mesmo
mas
ao mesmo tempo
não me estranha
tanto
tanta gente desconhecida a quem sorrio só porque
- apesar de haver ainda os que
há muitos que retribuem o sorriso
e são momentos mágicos, bons e duradouros -
mexo o café na chávena pequenina
sabe-me melhor ainda porque tinha saudades
mas sinto já falta do meu cappuccino de soja

há muita muita gente nas lojas e nas ruas
como lá
mas é diferente
e eu nem sei dizer porquê
não sei se levo mais encontrões se menos
olho mais as pessoas
lá digo
have a nice day
aqui
tudo de bom
mas não há diferença no sentir
das diferentes palavras

saio da capital do consumismo
olho para a direita antes de atravessar a estrada
era suposto ser para a esquerda
parece
qualquer dia ainda me lixo
estranho ainda às vezes quando ouço uma conversa ao meu lado
e é em português que falam
- é a minha língua falada perto de mim! -
e sorrio.
sorrio muito.
no meio de
encontrões
birras de crianças
pais natal sem jeito ou paciência
às vezes até sem palavras
falta de lugar para estacionar
metro apinhado de gentes e sacos e prendas e cansaço,
sorrio
eu.
porque.
porque sim.
porque é
tão bom
o natal
que nos traz a casa
e a casa a nós...

8 comentários:

Anónimo disse...

Tambem me fizeste sorrir.
Foi bom hoje ouvir portugues de uma voz doce e amiga! Bom Natal!
Ana

xana disse...

:) Abraço (natalício) apertado! :)

little_blue_sheep disse...

FELIZ NATAL!

little_blue_sheep disse...

FELIZ NATAL!

Rita disse...

Que bom saber-te perto e feliz!!

InêsN disse...

emigra! ;p

:)

Sandrinha disse...

É realmente muito bom passar estes dias com quem mais gostamos...

;o)

Anónimo disse...

Oh!...
Que pena só ter visto hoje...
Já não faz muito sentido dizer - bem-vinda ao alucinante natal na santa terrinha!!!
Tzinha