quinta-feira, novembro 15, 2007

manhã de acordar






(while you were gone, de haleh bryan)












ele deitou o seu corpo com o meu.

na calma de quem não possui,
engolimos a noite e o mundo
e sob a manhã acordámos o toque do que se não sabe em nós.


olhou-me perto,
viu-me em presença
e deu-me os olhos a sorrir.

descobriu-me dentro
descobriu-me em vida
e
sem mais nada
por mim se aventurou na solidão da não-paz em que me escondia
ainda
o fantasma egoista
de um falsificado,
abandonado,
amordaçado
amor.
















que sei

agora

que não.




















...























o meu corpo
hoje
voltou a meus braços.











(between us, de haleh bryan)



















...








( " you'll be given love
you'll be taken care of
you'll be given love
you have to trust it

maybe not from the sources
you have poured yours
maybe not from the directions
you are staring at

trust your head around
it's all around you
all is full of love
all around you

all is full of love
you just aint receiving
all is full of love
your phone is off the hook
all is full of love
your doors are all shut
all is full of love

all is full of love
all is full of love
all is full of love
all is full of love
all is full of love " )

25 comentários:

Ad astra disse...

� a vida que

renasce

renova

repete

repara...


Beijo em carinho moldado

little_blue_sheep disse...

:)

mil beijinhos

astrid disse...

Há muito que te não vejo

Bjs

curse of millhaven disse...

essa música da bjork é tão linda.

parece q os ventos estão a mudar, para ti? espero bem que sim :)

Gi disse...

senti-me bem ao sentir-te assim.
passou a dormência. sentes.

Um beijo (só um mas grande)

feel it disse...

sabe bem ouvir esta música...

xana disse...

... all is really full of love... we just have to notice... ;)

:) beijitos ;)

un dress disse...

to breath

to hear

to see

.all is full of love.

though some doors some windows

are all shut

evenso...


i see you can see again............



*
*

*
*

un dress disse...

:)beijO

~pi disse...

hora de recolha desse corpo.

de novo aquecê-lo e amá-lo.

e assim fortalecê-lo.

inequívocamente.



mil.estrelas :)

**********************************

lamia disse...

é bom saber-te nessa pertença de ti mesma, outra vez.

Nia disse...

Olá :) cheguei aqui através de um comment que deixaste num blog sobre a Annie Leibovitz.
Saudações
Nia

O Profeta disse...

Li sem respirar...dormência...doces sentires...mágoa ou contradição?


Bom domingo


Mágico beijo

Maria del Sol disse...

All is full of love, indeed... até a blogosfera :)

Obrigada pela visita ao meu blog, gosto muito do teu.

Beijinhos!

Homem sem rosto disse...

O reencontro connosco é antes de mais uma forma de respeito com nós próprios.

Beijos e boa semana

Dalaila disse...

E o corpo que volta aos braços... aos nossos.... é a melhor sensação de liberdade.

Lindo post

Flour disse...

Arrepiantes estas palavras..

Ad astra disse...

uma boa semana para ti :)

Anónimo disse...

pulsarei daqui ;) :
http://www.redinterlocal.org/spip.php?article328

Atlantys disse...

Gostei muito do teu poema, como sempre gosto das tuas palavras =)

(um obrigada muito especial pelo teu comentário de ontem, como já me disseste uma vez: "that really meant a lot")

Atlantys disse...

E hoje voltei para te avisar que tens um miminho lá no meu cantinho =)***

Ruela disse...

renovação...libertação...
bjs.

Stella Nijinsky disse...

Oi N.,

Gostei de te ler, tens frases muito bem conseguidas de tão sentidas e principalmente porque me parece que o amor sim...

... deitou o seu corpo no dela com a calma de quem não possui...
... manhã de acordar para um mundo vorazmente consumido...
Bem aventurado o que te trouxe o corpo de volta aos braços, corajoso ser, que entrou no esconderijo de fantasmas de amor amordaçados.

Beijo de bom dia!

Stella

Um Ar De... disse...

Acho que te conheço há muitos posts [Pulsar Daqui]...
Só hoje resolvi parar aqui.
Como gosto dos teus videos!... [e não só.]
"Embalo (s)em meu pai"... vi e revi. Enunciaste a minha saudade tão bem e também.
Bj

Alba disse...

Ah, são ambos sobre regressos, sim.
E este também é muito, muito belo!