terça-feira, outubro 30, 2007

esperança (d)e vida










anoitece.











....












é cedo

e anoitece.








....



























(brian wiles, dawn)









há vozes que me chamam e falam mais que a minha língua...



vêm de todos os lados
e são como vidas que me trazem a vida,
me lembram a doçura da humanidade fugaz,
me fazem acreditar que é sempre possível ser-se melhor...



(assim sorrimos de tudo
frente a um arco-íris chovido que invade a cidade cinzenta,
uma lua cheia que respira todo um campo de folhas sonhadas, caídas em côr,
um sol que nu e vermelho mergulha em água e sal de mar...

assim nós.
como quem olha a vida nos olhos e vê para além dela.

..

para além do que.)




aceitar quem dói,
aceitar a ausência,
aceitar escolhas e escolher
escolher
sorrir sobre tudo.

..

sobretudo sorrir.



ser verdadeira ao olhar que procura, deixar que entre nos olhos, por pouco que seja,
que entre, se sente à beira, como se.
deixar-se invadir pelas palavras que tocam,
levam o pensar sem que se pense,
fazem voar de intimidade a desconhecida distância.
hesitar, ainda, na entrega da verdade,
em verdade,
a entrega antes da paz, dentro,
porque não-paz esta serenidade que o não é,
porque não-completa, inteira,
ainda...
mas deixar,
deixar que os olhos.
beber das palavras, saborear-lhes o toque,
em segredo.
deixar que confortem
e possam ser
a vida
que se faz.



acordar a cada dia e sorrir,
sorrir só,
sorrir com,
em alegria de vida.

pela vida.

na vida.





e assim
ser
cada segundo.















...













isto
assim,
neste preto e branco de côr,
vejo eu,
faço por,
quando olho em frente.

comigo,
em mim,
na travessia do presente.

com tudo o que (não) ficou para trás.

..


ainda se sente.










...





assim eu,
no mundo,
em sal de saudade,
vida e verdade.


assim eu,
em mim,
em teimoso renascer
- como quem refaz e relembra
a cada noite
o amanhecer.

































































(imagem de bogdan zwir)





























" os desejos mais puros e ardentes do coração
são sempre realizados. "


(mohandas k. ghandi, in
"a minha vida e as minhas experiências com a verdade")

22 comentários:

K disse...

O calor de um sorriso pode bastar para que as estrelas continuem a brilhar

Girstie disse...

Sorrir: palavra chave!

E essa tua última frase, verdadeira pérola!! :)

MNN disse...

...that's better...:)

Ruela disse...

DON'T WORRY BE HAPPY :))
HAPPY HALLOWEEN

Sandrinha disse...

Sobretudo sorri!

@-,--

Dalaila disse...

Sorri...
nas palavras,
sorrio às voaes que me chamam,
sorrio nos cantos que embalam...

O poder do sorriso que nos leva para lá do olhar, marca-nos.

Lindo!

Beijo

curse of millhaven disse...

sim sorrir! sempre...que possível. :)


uma vez mais, palavras profundamente belas...adoro vir aqui. saio sempre impressionada.

um beijinho.

little_blue_sheep disse...

:*

un dress disse...

ser cada segundo.

não há outra forma


...


e ter uma fé bíblica

:

a que move montanhas


...




lindO nana!! :)

beijO

~pi disse...

renascemos das cinzas.

renascemos das pedras

e somos

mais.






.lindo!.


*

*

Maria P. disse...

A esperança na palavra.

Beijinho*

hfm disse...

Gostei de conhecer. Gostei particularmente de ler.

Ad astra disse...

Palavra(s) chave

Palavras de pensar


Palavras de sentir


***

Ad astra disse...

Lá no meu canto tens um desafio

Mar Arável disse...

Sorrir - pois claro

porque nunca é tarde para anoitecer por bem

Gi disse...

Gostei
do teu anoitecer
do teu murmuro
do teu sorriso
do teu renascer

Tudo se consegue .

Um beijo

delusions disse...

;)


bjinho***

Atlantys disse...

Sorrir... Sorrir sempre é meio caminho andado para espantar todos os males...
Gostei muito das tuas palavras como sempre =)
Beijokas =)***

luci disse...

quem me dera...isso dos desejos!!

como quero acreditar!



abraço

legivel disse...

... a travessia da cor não é de abordagem fácil. Mas para quem -como tu, reconhece os mapas das viagens antigas e actuais, a preto e branco, o futuro só pode ser de descobertas bem azuis.

Anónimo disse...

" Regressamos sempre aos velhos lugares aonde amámos a vida.
E só então compreendemos que não voltarão jamais todas as coisas que nos foram queridas. O amor é simples, e o tempo devora as coisas simples."

De José Eduardo Agualusa in "O ano em que Zumbi Tomou o Rio"

Beijos

Mário J. Nicolau

un dress disse...

vim dizer outa vez que

...aCrediTo...

.nisso dos desejos.:)








beijO e obrigada nana...!!